Cinemateque


PI by blogcinemateque
maio 30, 2008, 6:49 pm
Filed under: Marcus Vinícius

9:13 horas, nota pessoal: quando eu era criança, minha mãe me disse para que não olhasse diretamente para o sol. Certa vez, quando eu tinha seis anos eu acabei fazendo.

12:45 horas: Eu reitero meus postulados.Um: a Matemática é o idioma da natureza. Dois: Tudo ao nosso redor pode ser representado e ser entendido através dos números.

A história de Max Cohen (Sean Gullette), um gênio matemático que procura por um padrão de números na bolsa de valores é foco de “Pi”, estréia de Darren Aronofsky como diretor. Natural dos Estados Unidos, o filme lhe rendeu o prêmio de melhor diretor no festival de Sundance e também notoriedade, já que mais tarde viria a dirigir o espetacular Réquiem Para um Sonho.

Esse ato de encarar o sol causou seqüelas na saúde de Max, causando-lhe dores de cabeça e alucinações, amenizadas e controladas por medicamentos. Mas isso não o impede que siga com sua obsessão com números: ele estuda para achar um padrão no mercado de bolsa de valores usando o Pi, valor que começa no 3,14 e vai até o infinito. Mas não é apenas na bolsa que ele vê padrões matemáticos. Para Max, o mundo em si é feito desses padrões, desde uma espuma de café até a forma de uma colméia de abelhas.

Quanto mais a sua pesquisa se aprofunda, os ataques e as alucinações começam a ser mais fortes e recorrentes. Após um ‘tilt’, seu computador imprime uma seqüência de números e pifa logo a seguir, mas ele joga fora esse papel pensando ser apenas produto de uma falha, quando na realidade era o que procurava. Seu professor Robeson (Mark Margolies) avisa ao pupilo que a busca por essa resposta pode lhe prejudicar de alguma maneira, mas ele não acredita. Então ele começa a ser perseguido por uma empresa da bolsa, visando comprar seu trabalho, e por um grupo de judeus que acreditam que ele tenha achado nada menos que uma “senha”: um código de 216 palavras no Torá que seria o real nome de Deus.

Com um orçamento de 60 mil dólares, Darren mistura alucinações, números, surrealismo e religião para transformar “Pi” no grande filme que é. Sua fotografia em preto e branco dá uma espécie de lógica para o olhar matemático de Max pro mundo, o que dá até uma certa veracidade para a trama. Já na primeira obra o diretor usa, mesmo que meio tímido, o recurso chamado hip-hop montage (que seria utilizado exaustivamente em Réquiem para Um Sonho) que é uma seqüência de imagens muito rápida descrevendo um ato. Outro recurso usado é a snorricam, que é a câmera presa ao corpo do ator. Vale exaltar a enigmática e surreal seqüência no metrô, um dos ápices do filme, tanto para a trama quanto tecnicamente, e a trilha eletrônica de Clint Mansell, que dá o clima tenso ao filme.

Com um orçamento praticamente nulo, se comparado às grandes produções da época e de hoje em dia, mas com uma história mixando surrealismo e religião com um estilo arrojado de direção, Darren Aronofsky estréia no mundo do cinema com o pé direito, cheio de estilo e fazendo barulho. Mesmo que ele tenha apenas três filmes no currículo (três excelentes filmes, diga-se de passagem) Pi é considerado por muitos o melhor e é quase que obrigatório para todo cinéfilo que se preze.

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: